terça-feira, 20 de junho de 2017

Internos são tratados com pizzas e bombons, mas agridem agentes em centro socioeducativos

Adolescentes agrediram instrutores no Centro Socioeducativo Passaré

Agentes socioeducativos foram agredidos por menores infratores no Centro Socioeducativo Passaré, no bairro homônimo, em Fortaleza. 

De acordo com o relato de vítimas, um grupo que fica mais isolado, por ser considerado mais perigoso, aproveitou a saída do banho para provocar tumulto e agredir os instrutores. 

A situação foi rapidamente contida. Entretanto, o que chamou atenção foi a denúncia apresentada pelos agentes sobre o tratamento recebido pelos infratores na unidade. 

De acordo com o relato de um funcionário, os menores recebem pipoca, caixas de chocolate e outras regalias no centro. Um adolescente confirmou a informação. “Nós tem é tudo lá [no centro]! Celular, som e televisão”, disse. Além dos aparelhos, pipoca e chocolates, os adolescentes dizem ganhar pizza, pastel e até cachorro-quente, custeados pelo poder público. 

“O governo é bom. Eles são ladrão e nós é ladrão também. É só mordomia”, disse um adolescente, aos risos. 

As declarações foram feitas à TV Cidade após os menores serem contidos com a chegada da Polícia Militar. Os envolvidos na confusão foram encaminhados à Delegacia da Criança e do Adolescente (Dececa). 
Frequência

Um vídeo divulgado pelos instrutores mostra a situação no Centro Socioeducativo Patativa do Assaré, no Ancuri.

 Uma caixa de som toca funk no meio de um dos corredores do centro. 
A Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo (SEAS) foi procurada para comentar as denúncias, mas até a publicação desta matéria não houve retorno. 




http://cnews.com.br/cnews/noticias/113864/menores_infratores_ganham_pizzas_e_chocolates_dizem_agentes

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Fuga e rebelião com reféns em Santos e Fuga Fundação CASA Guarujá em menos de 48 horas

Equipes da polícia cercam a Fundação Casa de Santos, SP (Foto: Rodrigo Nardelli/G1)

Tumulto começou enquanto o almoço era servido para os internos. Quatro adolescentes conseguiram fugir.


Adolescentes internos da Fundação Casa de Santos, no litoral sul de São Paulo, mantiveram três funcionários da instituição reféns durante a tarde desta segunda-feira, 19, após uma tentativa de fuga. 

Ao menos quatro internos escaparam e ainda não foram recapturados. A unidade fica no bairro Monte Cabrão, na área continental da cidade, e tem capacidade para receber 69 apreendidos, mas tinha 59 no momento da confusão.

De acordo com informações da fundação, o grupo começou a fugir pouco depois de meio-dia, mas a maior parte foi contida. Logo após o começo da rebelião, um dos reféns foi liberado. A Polícia Militar chegou em seguida, posicionou homens na área externa do prédio e fez buscas pela região com apoio do Corpo de Bombeiros, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do helicóptero Águia.
A assessoria de comunicação da Fundação Casa informou que um dos agentes foi liberado logo no início da rebelião e os outros dois deixaram o local, com ferimentos leves, no fim do tumulto. Equipes da Superintendência de Segurança e da Corregedoria negociaram com os internos.

A rebelião acabou pouco antes das 17h . Possíveis sanções aos jovens que participaram do tumulto e também aos recapturados serão analisadas pela Comissão de Avaliação Disciplinar (CAD).

Guarujá
No fim de semana, seis menores fugiram da Fundação Casa em Guarujá, SP (Foto: Reprodução/Google)

No último sábado, 17, seis adolescentes fugiram da Fundação Casa de Guarujá, por volta de 19h50. 
A unidade fica na Vila Santo Antônio, tem capacidade para atender 100 adolescentes e mantinha 92 no momento da fuga. 

Até agora, nenhum dos fugitivos foi recapturado. A Corregedoria Geral abriu uma sindicância.

Uma escada de, aproximadamente seis metros foi colocada pela parte de fora do local para auxiliar na saída dos internos. Parte da cerca também foi cortada.

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/policia-cerca-unidade-da-fundacao-casa-apos-fuga-e-rebeliao-com-refens-em-santos-sp.ghtml

http://istoe.com.br/adolescentes-fazem-funcionarios-refens-e-fogem-da-fundacao-casa-em-santos-sp/

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/cinco-jovens-fogem-da-fundacao-casa-em-guaruja-sp.ghtml

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Agentes ficam feridos em princípio de rebelião na Fundação Casa em Jundiaí

assista o video:


Adolescentes estavam em aula de capacitação quando jogaram cadeiras nos funcionários, que tiveram ferimentos na cabeça.

De acordo com os funcionários, cerca de nove adolescentes estavam em uma aula de capacitação quando jogaram cadeiras nos agentes. A confusão durou aproximadamente uma hora.

Os funcionários tiveram ferimentos na cabeça e foram encaminhados ao Hospital São Vicente, onde passaram por atendimento. Um dele precisou levar 12 pontos na cabeça.

Segundo a assessoria de imprensa, agentes de outras unidades foram até Jundiaí para controlar a confusão. Os nove adolescentes deverão passar por uma comissão disciplinar.

http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/agentes-ficam-feridos-em-principio-de-rebeliao-na-fundacao-casa-em-jundiai.ghtml

terça-feira, 13 de junho de 2017

Um em cada quatro internos que fugiram da Fundação Casa nos últimos 2 anos foi recapturado

Número de fugas aumentou neste ano. Presidente da Fundação diz que não tem autorização para contratação de funcionários e para adquirir equipamentos de segurança.

Levantamento feito pelo SP1 aponta que em algumas unidades da Fundação Casa o número de fugas em 2017 em São Paulo já é maior do que em todo o ano passado. A maioria dos menores que escaparam continua na rua. Ao todo, em pouco mais de dois anos, 670 menores fugiram e 161, ou 24% do total, foram recapturados.

VEJA O VIDEO:


Em 2015, dos 379 menores que fugiram, 78 foram recapturados. Em 2016, mais 204 escaparam, e 60 voltaram. Neste ano, de janeiro a maio, 87 fugiram de todas as unidades da Grande São Paulo, e 23 foram encontrados.

A direção da Fundação Casa diz que toda a parte leste da capital e da Grande São Paulo é a mais complicada, por causa do tráfico de drogas muito presente. Este ano, até maio, foram 17 fugas na unidade Ferraz de Vasconcelos, num único dia, 23 de abril. No ano passado foram 3.
A unidade campeã no número de fugas este ano em todo o estado é a de Guaianazes. De janeiro a maio, foram 60 casos. Em 5 meses, mais jovens fugiram do que no ano passado inteiro. Funcionário da unidade relataram trabalhar em situação “precária”, o que, segundo eles, facilita as fugas.

Falta de segurança e de funcionários
A última fuga em massa foi há um mês, quando 11 fugiram depois de homens armados renderem funcionários. “Renderam os funcionários, trancaram dentro das celas os funcionários, e soltaram os moleques”, disse um funcionário que não quis se identificar. Um mês antes, em 12 de abril, 26 já haviam fugido.

Funcionários também reclamaram da falta de apoio da polícia. “A gente pediu garantia da polícia aqui. Falaram que a polícia é pra comunidade, não é para a Fundação Casa”, relatou um funcionário não identificado.

Funcionários da unidade Guaianazes também dizem que unidade tem menos agentes educativos e vigilantes do que o necessário. ”Hoje mesmo tem cinco funcionários trabalhando no pátio”, afirmou um funcionário que não quis se identificar. Segundo ele, há 44 internos no local.

O presidente do sindicato da categoria, Aldo Damião Antonio, disse que muitos funcionários são deslocados para outras funções. “Tem um quadro que tem quatro, cinco [funcionários], mas um tem que sair, levar o adolescente que ficou doente pro PS. Muitas vezes o outro trabalhador lá de dentro tem que fazer aquela função”, disse.

Orçamento de R$ 1,6 bilhão
Em 2017, o orçamento para as Santas Casas era de R$ 1,6 bilhão para cuidar de de 9.453 internos, segundo dados de junho.
A presidente da Fundação Casa, Berenice Gianella, disse que muitas vezes as unidades acabam engolidas pela cidade, pois ficam em áreas periféricas perto de comunidades, e que isso compromete a segurança. Berenice também disse haver dificuldade para fazer contratações e adquirir novas câmeras.
“A contratação e a instalação de câmera, eu só posso fazer com autorização do governo, e nós não temos essa autorização no momento. Estamos pedindo mais servidores, câmeras, e não temos essa autorização ainda. Você sabe que o governo enfrenta uma crise financeira, o Brasil inteiro, e nós estamos tendo dificuldade para isso”, disse

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/fundacao-casa-recaptura-1-de-cada-4-internos-que-fugiram-nos-ultimos-2-anos.ghtml

terça-feira, 6 de junho de 2017

Agentes do DEGASE frustram entrega de drogas em unidade de Volta Redonda

Por volta das 23h desta segunda feira (05/06), Agentes do Degase que trabalham na unidade de internação para menores infratores Irmã Assunción de La Gandara Ústara (Cense Volta Redonda), localizada no bairro do Roma, tiveram a sua atenção voltada para um dos muros da unidade, enquanto realizavam rondas pelo local.

Eles ouviram o barulho de algo se mexendo no mato junto ao módulo C da estrutura, além do motor de uma motocicleta. Ao chegarem no local utilizando lanternas, encontraram um pacote de papelão contendo três telefones celulares, carregadores, embrulhos contendo maconha e haxixe, um pino de cocaína, além de cigarros.

Os Agentes então acionaram a Polícia Militar, que chegou ao local e encontrou uma motocicleta Honda abandonada junto ao muro, na parte externa da unidade, além de dois capacetes. Os policiais realizaram buscas no local, mas não encontraram nenhum suspeito até o momento. Por enquanto, nenhum menor que cumpre medida de internação no local assumiu ser o destinatário do material ou cúmplice da ação.

 
    



A motocicleta apreendida e o material entorpecente estão sendo conduzidos para a 93DP, onde será realizado o registro de
ocorrência.


fonte: SIND DEGASE

domingo, 4 de junho de 2017

Rebelião deixa 7 adolescentes mortos em centro socioeducativo na Paraíba

Rebelião aconteceu na madrugada deste sábado (3), em centro socioeducativo.

Sete internos do Centro Socioeducativo Lar do Garoto Padre Otavio Santos, em Lagoa Seca, município do agreste da Paraíba, morreram durante rebelião ocorrida na madrugada deste sábado (3). No decorrer do tumulto, ao menos 11 internos da unidade conseguiram escapar do local.

Rebelião ocorreu na madrugada deste sábado (3) no centro socioeducativo Lar do Garoto, no agreste da Paraíba

De acordo com informações publicadas na manhã de hoje pelo jornal “Folha de S.Paulo”, a rebelião  teve início por volta das 2h30, depois que um grupo de adolescentes tentou escapar do local. Os internos que não conseguiram fugir tiveram acesso a uma ala onde ficavam jovens de uma facção rival.

Os invasores incendiaram a ala dos rivais após atear fogo em móveis e colchões. Segundo a polícia , a maioria dos mortos encontrados estava com os corpos carbonizados. Dois menores ficaram feridos e foram encaminhados a um hospital na mesma cidade.

O vice-diretor do centro socioeducativo, Francisco Souza, afirmou ao jornal que a unidade possui capacidade para 44 pessoas. Entretanto, o local abrigava 220 internos.

Crise no sistema penitenciário
Desde o início do ano, diversas rebeliões foram realizadas em todo o País e terminaram com um alto número de mortos. Já no primeiro dia deste ano, foi registrada uma chacina no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), de Manaus, onde morreram ao menos 56 pessoas.

Além do Amazonas, os estados de Roraima e Rio Grande do Norte passaram por momentos de crise e tensão, com rebeliões seguidas e a morte de dezenas de detentos em cada uma delas. Os estados de Minas Gerais, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro também já registram movimentos de revolta dos presidiários. Até agora, é possível afirmar que mais de uma centena de pessoas foram assassinadas em decorrência da crise carcerária do Brasil somente no ano de 2017.

Entre as causas das ocorrências de rebelião e da guerra iniciada entre as facções, está a superlotação dos presídios. Em reportagem especial, o iG mostrou que o governo federal investiu apenas 22,8% do Fundo Penitenciário nos últimos oito anos , o que pode ilustrar a omissão das autoridades diante da situação tensa dos presos e, sobretudo, dos funcionários penitenciários – que, inclusive, entraram em greve em diversas cidades do País.

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2017-06-03/rebeliao.html

Atualizado 04/06
Cinco dos sete adolescentes assassinados foram queimados ainda vivos

Eles foram trancados dentro de uma cela e tiveram colchões e outros objetos queimados, sem ter como sair, os cinco foram atingidos pelo fogo e morreram asfixiados e carbonizados.

As outras duas vitimas foram espancadas com barras de ferro até a morte no pátio da unidade.
Uma delas teve o corpo queimado mesmo depois de morto.

Segundo delegados, os assassinatos foram motivados por rixas internas.
Um dos suspeitos de ordenar os assassinatos teria acusao uma das vitimas de roubar a casa
de um parente dele.
Os suspeitos tinham planejado primeiro matar os desafetos para em seguida fugir. Contudo
três deles acabaram não conseguindo concretizar a fuga e foram apreendidos pela policia militar.

Os três suspeitos de comandar oa rebelião foram mandados para um presidio em Campina Grande




sexta-feira, 2 de junho de 2017

Trabalhadores da carreira socioeducativa ganham status de agentes

Governo de Brasília reconheceu reivindicação da categoria e fez alteração no então cargo de atendente. A medida valoriza os profissionais sem impacto financeiro

Os trabalhadores lotados no cargo de atendente de reintegração socioeducativa passam, agora, a ser reconhecidos como agentes socioeducativos. A mudança — sancionada pelo governador Rodrigo Rollemberg na Lei nº 5.870, de 2017 — foi publicada no Diário Oficial do DF de segunda-feira (29).

Segundo o subsecretário do Sistema Socioeducativo, da Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude, Paulo Távora, a adequação atende ao que já prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “O estatuto faz referência aos servidores que atuam com medidas socioeducativas com a terminologia de agentes”, explica.

"Os profissionais (agora) têm maior sentimento de pertencimento ao governo, todos ganham com essa valorização"
Paulo Távora, subsecretário do Sistema Socioeducativo
Ele destaca que, na prática, os servidores já atuavam como agentes e agora recebem o reconhecimento do poder público: “Os profissionais têm maior sentimento de pertencimento ao governo, todos ganham com essa valorização”. A mudança de nomenclatura no quadro de pessoal não altera salários.

A atuação em serviço, no entanto, será beneficiada com o status, segundo Távora. Ele exemplifica que há mais facilidades, sempre previstas no estatuto. “Podem, por exemplo, pedir prioridade de atendimento para um adolescente do sistema socioeducativo no hospital quando o estiver acompanhando, por questões de segurança. A condição de agente nos traz essa permissão e maior efetividade às nossas atividades.”

Para atender à reivindicação da categoria de alteração na nomenclatura, o governo local enviou projeto de lei à Câmara Legislativa no ano passado. A proposta foi aprovada no mês passado.

“A busca pela valorização e motivação da categoria é uma prioridade para o governo de Brasília. Essa é uma vitória que se soma a outras medidas importantes tomadas, como o decreto que instituiu a carteira funcional e a consequente nomeação dos concursados”, avalia o secretário adjunto de Relações Institucionais e Sociais, da Casa Civil do DF, Igor Tokarski.

https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/06/01/trabalhadores-da-carreira-socioeducativa-ganham-status-de-agentes/




Menores ameaçam agredir agentes do Pomeri

Policiais militares estiveram no Centro Socioeducativo de Cuiabá (Complexo Pomeri) para conter um princípio de motim em que menores infratores ameaçavam agredir agentes usando uma arma artesanal na manhã desta quarta-feira (31).

Dois adolescentes envolvidos no princípio de motim foram detidos e encaminhados junto com os agentes a Central de Flagrantes do bairro Planalto.

Um cabo de vassoura com ponta, amarrado em um lençol, usado pelos internos também foi apreendido pelos militares e entregues a Polícia Civil. 

motim-pomeri2.jpg

http://www.folhamax.com.br/policia/menores-ameacam-agredir-agentes-do-pomeri/126425

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Agentes são agredidos por internos e adolescente foge do Centro Socioeducativo de Juiz de Fora

PM informou que usou força não letal para conter resistência. Esta é a segunda fuga na unidade em menos de uma semana. Sesp disse que está apurando os fatos ocorridos na unidade.

Adolescente fugiu  do Centro Socioeducativo de Juiz de Fora e agentes foram agredidos por internos (Foto: Reprodução/TV Integração)

Um adolescente de 17 anos fugiu na noite desta terça-feira (23) do Centro Socioeducativo no Bairro Santa Lúcia em Juiz de Fora. 

De acordo com a Polícia Militar (PM), houve uma rebelião no pavilhão de internação 1 e quatro agentes com idades entre 22 e 39 anos foram agredidos por internos.

Com a fuga de um adolescente de 17 anos do Centro Socioeducativo de Juiz de Fora, na Zona da Mata, na noite desta terça-feira (23), chega a seis o número de internos que conseguiram deixar a unidade somente neste mês de maio. Durante a última ação, três agentes socioeducativos acabaram feridos pelos jovens. 

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) informou que continuam as buscas pelo adolescente e que a Subsecretaria de Atendimento Socioeducativo (Suase) está tomando todas as providências necessárias para apurar os fatos ocorridos na unidade, que segue sua rotina.

Em nota, a Secretaria explicou que a fuga aconteceu quando os jovens se recusaram voltar para os alojamentos, depois de uma atividade na sala de TV, por volta das 21h30. Por avaliações de segurança, a Polícia Militar foi acionada para dar apoio aos agentes. Na contenção, um deles pulou o muro. Três agentes tiveram ferimentos leves e passam bem.

A equipe da PM relatou que foi necessário o uso de força não letal, com disparo de uma bala de borracha calibre 12 e utilização de granada de luz e som, para conter a resistência dos internos nesta terça-feira.

Durante a rebelião, quatro agentes relataram que foram recebidos com hostilidade por cerca de sete internos.

 O agente de 35 anos indicou os dois que o agrediram com um soco no nariz e na mão esquerda com um golpe de cabo de vassoura. Outro agente, de 38 anos, também disse que internos tentaram agredi-lo com um cabo de vassoura. Outro funcionário de 39 anos recebeu chutes pelo corpo. E o agente de 22 anos foi agredido com empurrões. Os três não conseguiram identificar os responsáveis pelas agressões.
Durante a confusão, dois adolescentes de 17 anos tentaram fugir. Um foi contido pelos agentes, mas, após averiguação, foi descoberto que o outro conseguiu escapar após escalar o muro.

Os agentes agredidos e a direção da unidade foram orientados sobre as demais providências cabíveis. O caso será encaminhado para investigação da 3ª Delegacia da Polícia Civil.


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Após investimento de R$ 2 milhões, obra da Fundação Casa para em S. José

Decreto do governador Alckmin determinou paralisação para conter gastos. Não há previsão para retomada da obra.

video

A obra do prédio anexo à Fundação Casa, em São José dos Campos, está parada há quase dois anos em São José dos Campos. O projeto, orçado em R$ 5,3 milhões, deveria estar funcionando desde o ano passado e abrigar 60 adolescentes.

O prédio estava sendo construído para abrigar adolescentes temporariamente e deveria contar com salas de aula e alojamentos. No local é possível ver muito mato, armações de ferro enferrujadas e portas expostas ao tempo.

De acordo com a Fundação Casa, ja foram gastos mais de R$ 2 milhões na obra. A paralisação dos trabalhos obedece um decreto do governador Geraldo Alckmin, que determinou a contenção de despesas por conta da crise econômica.

Para o vice-presidente da Fundação Casa, Claudio Piteri, a paralisação não gera desperdício de dinheiro público. "Não há risco de desperdício porque se trata de uma obra interna e não há nenhum tipo de problema em relação à perda de materiais. Estamos aguardando a liberação de recursos e assim que o governo liberar voltaremos com as obras", disse.

Atualmente, a Fundação Casa de São José dos Campos possui um bloco para atender 64 adolescentes em regime permanente e outro, com 32 vagas, para internação provisória, mas que está sendo utilizado para abrigar jovens em internação definitiva, devido à falta de espaço na unidade.
De acordo com o Ministério Público, no período em que a obra ficou parada, mais de 200 adolescentes que deveriam estar internados em São José dos Campos foram transferidos para outras cidades do Estado, a maioria para Guarulhos...VEJA MAIS